O Sertão potiguar e a coleção Jairo Campos

(re)leituras da arte popular brasileira

autor:  JAIRO JOSÉ CAMPOS DA COSTA

​​

A alma de um museu é seu acervo. É seu ponto de partida, pois tudo em um espaço de memória é pensado para significar e dar sentido ao seu acervo. E é também seu ponto de chegada, visto que todas as ações de um museu convergem em sua direção. Tal relevância faz com que o processo de criação e manutenção de uma coleção seja algo minucioso, coerente, não aleatório. É necessário que seja assim. Nesta publicação, a Associação Fundação Cultural Prof. Jairo José Campos da Costa apresenta parte de sua coleção, que não representa apenas o trabalho de anos de pesquisa e expedições em busca de identificar os fazedores de arte popular e da cultura nacional, mas sim, um recorte do Brasil que nos ensina sobre história, tradição, cultura, costumes, crenças. Um acervo que, ao longo de muitos anos foi aglutinando histórias e saberes. Foi tomando a forma de não ter forma definitiva, pois sempre espera e anseia por uma nova descoberta e, ainda assim, tendo a forma exata das narrativas que preservam nossa cultura. Gerada a partir da inquietação do Prof. Dr. Jairo Campos, frente às lacunas estruturais da gestão cultural e educacional em nosso país, a Fundação nasceu com o propósito de diminuir desigualdades no acesso aos bens culturais pelo próprio povo que os produzem. Inicialmente, como um projeto de atuação regional, esta publicação amplia o alcance do Museu de Cultura Popular de Francisco Dantas-RN, permitindo que todos, em qualquer tempo e lugar, possam acessar esse rico material e conhecer melhor de que forma o povo brasileiro faz o registro de sua história e de seus desejos através da arte. Como curador, acompanhei e participei da implementação deste projeto e digo dos esforços e batalhas homéricas enfrentadas pelo Prof. Jairo, desde a sua concepção até hoje. Ufa! O tempo voa, já vai fazer 5 anos! Manter vivo e atuante um espaço de cultura fora dos grandes centros desse país é algo digno de condecoração, e todos aqueles que dedicam seus esforços a esse ideal merecem amplo reconhecimento. De nossa parte, como reconhecimento pelo excelente trabalho e pela oportunidade que essa publicação nos dá de apropriarmo-nos de um pedaço da nossa identidade, nos cabe desfrutar, sem limites, do conteúdo desse catálogo. Bem como, no papel de cidadãos brasileiros, nos cabe cuidar de todo esse patrimônio e trabalhar para que ele se propague e se perpetue.

 

Belém-PA, 

 

Paulo Gomes

Curador do Museu de Cultura Popular de Francisco Dantas-RN

Pesquisador em Artes do Programa de Pós-Graduação em Artes-PPGARTES, da Universidade Federal do Pará–UFPA